Feeds:
Posts
Comentários

Os medicamentos hormonais estão entre os contraceptivos

Pílula, injeção, DIU, adesivos e anéis. São diversos os contraceptivos à base de hormônios, o que acaba confundindo a mulher na hora da escolha do melhor método. Mas quais são os benefícios de cada um deles? Qual é o que mais combina com a sua rotina diária?

Para te ajudar na escolha do contraceptivo que mais se encaixe nas suas necessidades, o MinhaVida conversou com Rosa Maria Neme, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein. Ela afirma que conversando com um especialista você pode sugerir aquele que mais combine com você.

-Os injetáveis: Eles são super práticos, mas podem atrapalhar seu ciclo menstrual devido às doses de longa duração. São uma ótima opção para quem se esquece de tomar as pílulas diárias. “Os contraceptivos injetáveis podem ser usados mensalmente ou trimestralmente. O problema é que eles causam muita irregularidade do ciclo menstrual, o que pode confundir a mulher”, explica ginecologista.

-DIU de progesterona: Ele tem uma duração enorme, o que proporciona mais tranqüilidade, além e possuir baixar dosagem de hormônios. “O DIU de progesterona pode permanecer durante 5 anos dentro do útero, além de ter a vantagem de possuir uma baixa dosagem de hormônio e não influenciar no ciclo hormonal (ovulação). Ele também diminui o sangramento vaginal, podendo, em alguns casos, até suspender a menstruação”, afirma a especialista.

Adesivos e anel vaginal: Os dois apresentam uma dosagem baixa e são super práticos. Mas, precisam de uma recomendação médica. A quantidade de hormônios pode variar nas duas opções de contraceptivos. Eles podem ser trocados semanalmente ou a cada 3 semanas, sendo ideais para mulheres que esquecem de tomar a pílula diária”, diz Rosa Maria Neme.

- Pílula do dia seguinte: Também considerada um contraceptivo hormonal a pílula do dia seguinte só deve ser usada em casos de emergências. “Composta de uma dose mais alta de progesterona, ela evita a gestação em casos especiais (quando a camisinha falha, por exemplo). Mas, não pode ser usada com freqüência, caso contrário, pode causar sérios problemas hormonais”, alerta a especialista.

Além do anticoncepcional
Os contraceptivos hormonais podem servir de ajuda extra para mulheres, basta a escolha certa para sentir diversos benefícios, para o corpo. “Os métodos hormonais podem beneficiar a mulher em diferentes aspectos. Mas para isso acontecer é preciso a escolha do ideal para seu organismo. Entre os principais e mais comuns benefícios podem citar a melhora da pele (diminuição drástica da pele ressecada), nas cólicas menstruais, no sangramento vaginal (que tende a diminuir) e nos sintomas da TPM, por exemplo”, explica a especialista.

Mito
A especialista afirma que usar anticoncepcionais por mais de um ano não prejudica a capacidade de engravidar. “Isso é um mito, depois de um mês de interrupção do método, as chances de engravidar voltam ao normal”, explica.

Olho aberto
Tomar anticoncepcionais sem restrição médica pode resultar em diversos males para a saúde. “Os anticoncepcionais sugerem diversos riscos para saúde da mulher, quando consumidos de forma incorreta. Mulheres fumantes, acima dos 35 anos, devem evitar contraceptivos que contenham o estrógeno sintético, chamado etinilestradiol”, alerta a ginecologista. A precaução evita problemas graves, como a trombose.

FONTE: MINHA VIDA

Sua menstruação marca presença sempre no mesmo dia de cada mês? Ou é do tipo irregular, que passa meses sem dar sinal e reaparece como se nada tivesse acontecido? Reparar no seu ciclo menstrual é importante, mas nem sempre é preciso se preocupar. De acordo com o ginecologista da Unifesp, Cláudio Bonduki, cada mulher tem um padrão menstrual, que inclui: variação de intervalo entre um sangramento e outro, intensidade e duração do fluxo.

O alarme só apita quando algum fator destoa do padrão que acompanha a mulher desde as primeiras menstruações. Quando uma destas características sai do normal pode ser sinal de alguma alteração hormonal , orgânica ou, até mesmo, funcional , diz Cláudio.
O especialista afirma ainda que, quando as mudanças são notadas em apenas um ciclo, isso pouco quer dizer. É natural haver mudanças em um ou dois ciclos, é natural , garante.

Fluxo muito intenso ou com maior duração: quando esta alteração entra em cena, pode ser indício da presença de um mioma. O ginecologista esclarece que mioma trata-se de um tumor benigno, do tecido que forma a parede do útero. O problema chega a atingir de 30 a 40% das mulheres , diz Cláudio.

Cólicas fortes demais: a intensidade e duração das cólicas também variam entre as mulheres, conforme Bonduki. O especialista alerta que, quando o incômodo aumenta muito ou os analgésicos comumente usados nessa fase perdem sua eficácia, também podem indicar um mioma.

Corrimento excessivo: segundo o especialista, é natural as mulheres apresentarem uma secreção fisiológica. Também é normal o aumento deste muco depois da ovulação, fase que antecede a menstruação. O alarde surge quando mudanças são notadas na quantidade e odor do muco. Além destas alterações, a coceira pode ser outro indício de algum processo infeccioso , ressalta Cláudio.
Ciclo irregular: as datas irregulares da menstruação são as que somam mais possíveis causas. Entre os problemas, Cláudio lista distúrbios hormonais, orgânicos (quando o problema atinge órgãos como útero ou ovário), ou ainda, funcionais. Estes últimos, de acordo com o ginecologista, são caracterizados por mudanças na rotina, alterações de clima ou ainda por fatores emocionais.

Medidas que estão ao seu alcance
Ao falar de fatores externos que influenciam no ciclo menstrual, o especialista da Unifesp ressalta que a alimentação está relacionada com os sintomas da TPM e com as cólicas, não especificamente com o fluxo. Ele afirma que alimentos ricos em carboidratos e gorduras, e pobres em fibras, intensificam os incômodos. O conselho, portanto, é seguir uma alimentação regrada, especialmente no período pré-menstrual.

Segundo Cláudio Bonduki, a intensidade do fluxo pode ser diminuída com o uso de contraceptivos. O efeito hormonal da pílula diminui o fluxo , explica. Medicamentos antiinflamatórios também são capazes de deixar o fluxo menos intenso, devido a um tipo de ação no organismo. Nos dois casos, vale lembrar, é preciso uma orientação médica, após a análise do caso.

FONTE: SITE MINHA VIDA

Não é por causa deles que você engorda, então nada de cortes no cardápio

Famosos pela energia que oferecem ao corpo, os carboidratos carregam consigo um outro carimbo e esse, nem tão positivo: normalmente, eles são apontados como os responsáveis pelas subidas do ponteiro da balança. Confie apenas na primeira parte da afirmação e repense a idéia de cortar os alimentos ricos em carboidratos do menu.
O nutriente é, sem dúvida, a melhor fonte de energia para o nosso organismo e relacioná-lo ao aumento de peso é apenas um mito. Cada grama contém 4 calorias, mesmo número apresentado em um grama de proteína. (Mas afinal, o que são calorias? guia/calorias). Os carboidratos devem ser predominantes na alimentação. A recomendação é que eles façam parte de 50 a 60% do valor calórico total do cardápio diário, seja para quem quer perder, manter ou ganhar peso , afirma a responsável pela equipe nutricional do Minha Vida, Roberta Stella. Em uma dieta de 1.400 kcal, por exemplo, a quantidade de carboidratos resultaria em aproximadamente 175 g.
Ao eliminar de vez o macronutriente da alimentação, sintomas como dor-de-cabeça, irritação, cansaço físico e mental podem aparecer. (Aprenda a driblar os males da saúde, controlando o cardápio guia/saúde). O segredo, além de ficar de olho na quantidade, é optar pelos diferentes tipos do nutriente, de acordo com seu objetivo.

Simples ou complexos?
Classificados em simples e complexos, os carboidratos desempenham papéis distintos no organismo. Os primeiros são encontrados nos doces, no leite e nas frutas, têm um teor maior de glicose e, por isso, são digeridos mais rápido. Isso quer dizer que, depois de se deliciar com algum alimento rico em carboidratos simples, você não demora a sentir fome novamente. As frutas, por também serem ricas em vitaminas, fibras e sais minerais, são as melhores opções para obter essa variação do nutriente.

Já os complexos garantem uma saciedade prolongada por terem digestão mais lenta. Encontrados nos cereais, arroz, pães e massas, eles são ainda mais eficientes quando obtidos pela versão integral, pois as fibras colaboram para que o estômago demore mais tempo para pedir comida.
E a classificação do nutriente não pára por aí. Os carboidratos simples e complexos se dividem em subgrupos, que levam nomes diferentes por causa da quebra que sofrem após o início do processo digestivo. Confira as características de cada um.

Atente às armadilhas
A soma de calorias, porém, está longe de ser a única ferramenta para montar o cardápio adequado. A especialista do Minha Vida alerta que as calorias são apenas um item a ser considerado na elaboração de uma dieta. Também é preciso prestar atenção na quantidade de macronutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras) e de micronutrientes (vitaminas e sais minerais). Só somar as calorias não significa que a alimentação seja adequada .

Dissacarídeos
Dentro do grupo dos carboidratos simples, os dissacarídeos se dividem em sacarose, lactose e maltose.

A sacarose é o açúcar de mesa. Também é encontrada na cana-de-açúcar, na beterraba, no xarope de milho, nos legumes, nas frutas e no mel. Durante o processo digestivo, ela é convertida em glicose e galactose, denominadas como monossacarídeos (leia abaixo). O leite e seus derivados são fontes da lactose, que, na digestão, também dão origem à glicose e à galactose. A maltose não é encontrada na forma livre dos alimentos. Ela é obtida através da quebra de grandes moléculas de amido e, em seguida, reduzida a duas moléculas de glicose.

Monossacarídeos
Também participantes do grupo dos carboidratos simples, os monossacarídeos são representados pela glicose, galactose e frutose

A glicose está presente em grande quantidade nas frutas, no xarope de milho, nos legumes e no mel. Trata-se de uma ótima fonte de energia, já que o sistema nervoso central, muitas vezes, conta apenas com ela para oferecer pique ao corpo. Enquanto a frutose desempenha um papel semelhante e é encontrada em abundância nas frutas. A galactose, por sua vez, surge a partir do processo digestivo da lactose, presente no leite e seus derivados.

Polissacarídeos
Representados pelo amido, pelo glicogênio e pelas fibras alimentares, eles são o time mais famoso dos carboidratos complexos.

O amido é obtido somente pela ingestão dos vegetais. Já o glicogênio não é adquirido por nenhum alimento. Eles são uma forma de estocagem natural de carboidratos, no fígado e nos músculos. Por não serem digeridas pelo organismo, as fibras somam muitas vantagens. Além de auxiliarem no regulamento do intestino, elas não contêm calorias. Conte com as frutas, legumes e verduras para obtê-las.

Oligossacarídeos
Outros participantes do grupo dos carboidratos complexos são os oligossacarídeos. Para recorrer a eles, coma aspargo, alcachofra, banana, trigo, soja e mel. Uma de suas representantes é a maltodextrina, obtida pela quebra dos amidos. A substância é conhecida pela capacidade de substituir o açúcar, somando o benefício de ser menos calórica (cada grama apresenta 1,5 caloria contra 4 da mesma quantidade de sacarose).

A maltodextrina também é famosa entre o pessoal que pega pesado na atividade física. Quando os exercícios são de longa duração (levam mais de 90 minutos), ela é recomendada em gel ou pó e é garantia de pique para os praticantes. A quantidade depende da intensidade e duração dos exercícios, mas o indicado é que a concentração da substância no líquido varie entre 5 a 8%. Para um atleta que ingere 750 ml de água a cada hora que se exercita, por exemplo, indica-se 30 g de maltodextrina. Mas somente um especialista em nutrição esportiva é capaz de fazer o cálculo para cada nível de atividade física.

FONTE: MINHA VIDA

Um processo biológico natural do organismo das mulheres, mas muito temido pelos sintomas. A conhecida menopausa pode apresentar diversos efeitos no dia-a-dia da mulher. Ondas de calor, suor noturno, irritabilidade, ansiedade, insônia, cansaço e diminuição da atenção e memória são alguns dos incômodos dessa fase em que a mulher deixa de produzir hormônios, entre os 45 e 55 anos.

Portanto, a busca por solução ou, até mesmo, a diminuição dos sintomas passa a ser rotina do dia-a-dia das mulheres. Todavia, existe um aliado natural que pode ser bastante benéfico, os alimentos. Os grãos, os cereais integrais, as frutas e as hortaliças são excelentes fontes de nutrientes que podem auxiliar no tratamento da menopausa.

A ingestão de alimentos ricos em vitamina E, C e D3, zinco, cálcio, ácido fólico, magnésio, selênio, carboidratos integrais, proteínas de alto valor biológico, substâncias fitoestrogeneas e fitonutrientes ameniza as causas decorrentes dos déficits hormonais, de estrógenos e progesterona.

Nessa fase, principalmente, o consumo de frutas e castanha do Pará faz toda a diferença. A vitamina C das frutas cítricas torna-se necessária para a síntese de hormônios ovarianos. Já o selênio, da castanha do Pará, além de antioxidante, fortalece as funções cerebrais que durante a menopausa têm uma diminuição. “Uma alimentação adequada é muito importante no período de menopausa. Com o fim do período fértil, o organismo fica muito frágil e os alimentos agem suprindo as necessidades”, ressalta a nutricionista Roseli Rossi, da clinica Equilíbrio Nutricional.

Outro fator que merece atenção é que a menopausa também está associada à osteoporose. Afinal, é o hormônio estrógeno que é o responsável pela conservação do cálcio nos ossos. Neste caso, a nutricionista Roseli dá a dica. “Alimentar-se de vegetais verdes e alimentos fortificados com cálcio é essencial para a garantia da saúde da massa óssea”.

Para garantir um cardápio saudável que possa auxiliar no combate aos efeitos da menopausa, a nutricionista da clinica Equilíbrio Nutricional elaborou um quadro com dicas de alimentos:

Vitamina E: diminui as ondas de calor.
Fontes: Sementes oleaginosas e óleos vegetais.

Vitamina B6: importante para a formação de neurotransmissores (triptofano), melhora o bem estar.
Fontes: cereais integrais, ovos e grãos.

Vitamina C: necessária para síntese de hormônios ovarianos.
Fontes: Frutas cítricas.

Ácido Fólico: ajuda a repor DNA e diminui o risco de câncer de mama.
Fontes: vegetais verdes escuros.

Magnésio: age no bom humor, no relaxamento muscular e na formação de neurotransmissores.
Fontes: cereais integrais, grãos, beterraba e sementes oleaginosas.

Cálcio: essencial para garantir a massa óssea e contração muscular. Fontes: Vegetais verdes, leite e derivados. 

Vitamina D3: reforça o sistema imunológico, melhora a absorção de cálcio.
Fontes: óleos vegetais.

Selênio: antioxidante e fortalece as funções cerebrais.
Fonte: castanha do Pará.

Ômega 3: melhora as funções cerebrais, impulsos nervosos, regula a ação insulínica – glicose, diminui colesterol ruim (LDL) e melhora a fluidez sanguinea.
Fontes: linhaça e peixes de água fria. Substâncias fitoestrogenas: possuem ação similar ao hormônio estrógeno.

Proteínas de alto valor biológico: para evitar o enfraquecimento e a diminuição dos músculos.
Fontes: ovos, aves e carne bovina.

Zinco: é necessário para síntese de hormônios, para melhorar as funções ovarianas e otimizar as funções estrogênicas.
Fontes: Frutos do mar e peixes.

FONTE: BEM PARANÁ

“Cada vez mais, surgem nas farmácias e nos supermercados novas marcas de sabonetes íntimos. Isso é o reflexo do aumento do número de mulheres que aderiram a esse produto. No entanto, ainda há controvérsias entre ginecologistas e usuárias se esse item para higiene é um aliado ou uma ameaça à saúde vaginal. Há quem diga que seu uso destrói a proteção natural da região. Será mesmo?

Para descobrir o que realmente acontece ao se utilizar sabonetes íntimos, a equipe da Pro teste levou ao laboratório as sete marcas mais representativas do mercado. Carefree Natural Fresh, Nívea Íntimo Suave, Intimus Glicerina e Aloe & Vera, Davene Nuss Rose, Dermacyd Feminina, Vasigil Fórmula Original e Lucretin Mulher.

A análise começou pela rotulagem. Todos os sabonetes íntimos testados exibem de maneira clara as informações necessárias ao consumidor. Porém, o Dermacyd e o Lucretin apresentam sua composição fora da ordem de concentração, o que pode dificultar a composição da fórmula, conforme análise da Pro teste.

A formulação destes produtos não deve conter bactericidas, pois essas substâncias destroem também as bactérias boas que protegem naturalmente a região vaginal.

Pessoas saudáveis só seriam prejudicadas ao utilizar este tipo de produto. por isso, foi verificada a presença de bactericida na formulação. E o único produto que apresentou ingrediente bactericida, no caso do triclosan, foi o sabonete Lucretin. Isso se refletiu na avaliação final.

PARA MANTER A SAÚDE ÍNTIMA

Use o sabonete íntimo diariamente, mas sem exagerar. Basta aplicar apenas a quantidade necessária para uma lavagem.

Prefira calcinhas de algodão que favorecem a respiração e a ventilação da área.

Não use calças apertadas e absorventes diários. Ambos deixam o local abafado, o que ajuda na proliferação de bactérias e fungos.

Durma sem calcinha para arejar o local.  Bactérias e fungos gostam de lugares quentes, úmidos e escuros.

Lave as mãos antes e depois de usar o banheiro.” 

Muito se fala a respeito da higiene íntima da mulher: de que maneira ela deve ser feita ou quais os produtos adequados para uma higienização correta. Porém, a rotina conturbada de milhares de mulheres colabora para o descuido com a própria saúde, principalmente quando se trata da saúde íntima.

A mulher contemporânea trabalha durante 8 horas, frequentemente sentada na frente de um computador. Ela usa calça jeans com freqüência além de usar protetor diário de calcinha — o que diminui a ventilação e ajuda a abafar o local. Há também o hábito de fazer depilação, muitas vezes agressiva. Esse conjunto de ações provoca o desequilíbrio da proteção natural da vagina, o que colabora para o surgimento de infecções.

Cuidados com a Saúde Íntima

  • Usar proteção na relação sexual para evitar doenças
  • Usar calcinhas de algodão
  • Evitar calcinhas apertadas e com lycra
  • Usar roupas adequadas para ventilação da região
  • Não emprestar calcinhas, biquíni ou toalhas de amigas
  • Lavar a calcinha adequadamente para evitar proliferação de fungos
  • Usar sabonetes íntimos diariamente
  • Utilizar protetor de calcinha somente quando necessário
  • Evitar absorventes perfumados, pois podem causar alergia
  • Não deixar o absorvente interno o dia todo pois pode haver proliferação de bactérias
  • Dar preferência aos papéis higiênciso brancos e sem perfumes. Os coloridos e perfumados podem causar alergias
  • Evitar banho muito quente, pois pode irritar a mucosa vaginal
  • Consultar um ginecologista sempre que perceber alguma irregularidade

O  pH vaginal é ácido e ocasionado pela ação dos bacilos de Doderlein. Eles são responsáveis pela manutenção do pH ácido da vagina da mulher, o  que evita o crescimento de bactérias na flora vaginal. Por isso, o uso de produtos como sabonete líquido (que contém ácido lático) específico para a região intima é o mais indicado para ajudar a preservar o pH  e manter a proteção natural da mucosa vaginal.

Além de evitar a proliferação de bactérias, os sabonetes íntimos mantêm a  a região externa da vagina protegida e livre de odores, coceiras e secreções das mais variadas proveniências.

Vale ressaltar que o mais importante de tudo é que a mulher conheça melhor o seu corpo e cuide da sua saúde de modo geral, acompanhando suas alterações ao longo da vida. E, sempre que tiver alguma dúvida, procure um médico especialista.

fonte: site beleza e saúde

Mamografia

A mamografia é um exame a que têm direito todas as mulheres a partir de 40 anos. Este tipo específico de exame, que deve se transformar em hábito das mulheres pode reduzir drasticamente a taxa de mortalidade do câncer de mama no Brasil. Se o câncer de mama é diagnosticado precocemente e a mulher recebe um bom tratamento, a cura se torna possível em quase 100% dos casos.
O projeto que dá às mulheres o direito à mamografia, aprovado na Câmara no início deste ano, foi proposto pelo Dr. José Aristodemo Pinotti, um dos maiores especialistas em saúde da mulher que este país já teve. Foi ele o principal responsável pela adoção de inúmeras políticas públicas que asseguraram saúde e longevidade às mulheres.
Foi uma sorte, para o Brasil, contar com um médico como ele. Aqui, as mulheres precisam de informação e de tratamentos preventivos. Pesquisas recentes apontam que, em cada grupo de 14 mulheres nascidas no Brasil, uma poderá ter câncer de mama. Entre os fatores que aumentam o risco de aparecimento da doença, ele destacava a obesidade, hábitos alimentares, estresse, gestação tardia e a não amamentação dos filhos.
Ginecologista de renome internacional e doutor em cirurgia do câncer de colo de útero, outra doença fatal para as mulheres, o Dr. Pinotti criou técnicas inovadoras para reduzir o índice de recidiva, ou seja, a volta da doença. E mesmo com recursos escassos, ele conseguiu obter em Campinas (SP) um índice de mortalidade de câncer de útero abaixo, inclusive, do índice de mortalidade norte-americana.
Nos Estados Unidos, a mortalidade é de é de 3,3 por 100 mil habitantes. Em Campinas, em razão da utilização das técnicas de tratamento do Dr. Pinotti, esse índice caiu para 3 por 100 mil habitantes. O trabalho desenvolvido pelo Hospital da Mulher da Unicamp é reconhecido no mundo todo como referência de tratamento para as mulheres.
Além das pesquisas e das técnicas inovadoras de cirurgia, o Dr. Pinotti buscava garantir o acesso, principalmente às mulheres mais necessitadas, a todos os serviços de saúde pelo sistema público. “A única forma de efetuar o diagnóstico e tratar com êxito as doenças graves é por meio da realização dos exames preventivos”, ensinava.
Como vocês podem ver, o Dr. Pinotti nos fará muita falta. Na verdade, confesso a você, amigo filiado e amiga filiada, que durante muito tempo seguirei lamentando a perda irreparável que representou a morte do Dr. Pinotti para o Democratas e para o Brasil. Vítima de um câncer, ele sucumbiu na madrugada da última quarta-feira em São Paulo.
É isso, um abraço,

Rodrigo Maia

fonte: jornal cultura viva

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.